29 de mai de 2009

Minha vida? Não sei.


Não sei. Talvez essa seja a coisa que mais disse até hoje, na minha vida inteira. Não sei por que, mas nunca sei. Se me perguntam, não sei responder. Se pergunto, óbvio, é porque não sei. Não sei porque faço certas coisas, e até porque deixo de fazer. Simplesmente não penso, não lembro, não sei. Não falo, ou falo demais. Faço o que não devo, deixo de fazer o que deveria. Juro que não é por mal, mas não sei explicar. Talvez às vezes possa culpar minha memória falha, mas nem sempre. Não seria justo. Não comigo, mas com minha memória. Como poderia lembrar de algo que nunca fiz? Que nunca presenciei? Não sei, mas vão forçando tudo no meu caminho, como a fumaça do cigarro é forçada no vento, tornando seus movimentos visíveis. Movimentos. Só os movimentos, nunca ele mesmo. Assim como minhas perguntas e ânsias que nunca se mostram, só quando forçadas nos meus atos. Mas daí já é tudo muito rápido. Não penso. Não falo. Falo. Erro. Penso. Não vejo. Não ouço. Me perco.
Não sei. Quando percebo, já foi. Daí tento voltar atrás. Tento ver, ouvir. Procuro o caminho. Mas não sei, não conheço. Nunca ouvi. Nunca me contaram. Nunca perguntei. Nunca pensei que precisaria saber. Nunca soube o que precisaria saber. Quem sabe? Não queria. Tento falar, queria que o "desdizer" existisse. Mas minha voz some no vento. Carregada junto com a fumaça. A fumaça do cigarro aceso quando por fim me perguntei como cheguei aqui, e mais uma vez concluí que não sabia.

Nenhum comentário:

free counters

Here comes the sun...

Here comes the sun...
Breno

Jú
By: Adão

Out of station

Out of station
By Adão
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog